Textos

PERÍCIA POLICIAL E A TRAGÉDIA DE VILA BRASILANDIA
 
Muito embora fui ao longo de dez anos delegado de polícia e sem falsa modéstia,a gente acaba tendo alguma experiência nessa atividade,diga-se de passagem,que a parte mais nobre e importante da instituição é a chamada perícia, em local de crime.Convém lembrar que hoje,não sei qual a razão, as Faculdades de Direito,não tem mais no “curriculum”, a cadeira de MEDICINA LEGAL, que  como aluno da Faculdade da São Francisco(USP),em Sampa,4º.ano,tive o privilégio de ter   essa disciplina a cargo do eminente  professor dr.Costa Junior, autor de notável obra sobre a matéria.Hoje,ainda,plena em atualidade e vigor de conteúdo.
Hoje os cursos de Direito,pelos exames da OAB,tem demonstrado a ineficácia de alguns cursos de Faculdades,que são “facilidades”,onde o aluno chega ao sair trocar “habeas corpus”,com “corpus Christi” e assim,nunca será um bom profissional,no vasto campo do DIREITO,que é amplo,profundo e requer estudo e dedicação permanente.  
Certa feita também como professor universitário da UNICAMP –representando a nobel instituição da qual  fiz parte,ao longo de 14 anos lecionando,estive em RECIFE,no 7º. Congresso Nacional de Criminalística,onde apresentei trabalho inédito com o título “PROPOSTA DE PADRONIZAÇÃO DE SALAS DE NECROPSIAS ÀS CIDADES MÉDIAS E PEQUENAS”.  Vinte anos mais tarde,quando estava fora da Polícia e da UNICAMP recebi um telefonema honroso do diretor do IML de São Paulo, que dizia,que meu trabalho chegou às suas mãos,mas fragmentado e aos pedaços e pedia que mandasse todo ele na integra...Procurei no meu “baú” e encontrei o que o diretor queria e mandei pelo correio...mais tarde,recebi como resposta uma carta-ofício,que guardo até hoje,pois dizia entre outras coisas,que o tema o“honrava a MEDICINA LEGAL d País”.Aquela manifestação me emociona até hoje,vindo de quem veio!
A perícia é fundamental para o trabalho da instrução policial,o chamado “inquérito policial”. Tanto é importante,que houve,certa vez, um homicídio na porta de um bar em que foi vitima um jovem negro que tinha o cabelo da moda: “black power”.Ouvindo testemunha,após três meses do fato,todas afirmavam que a vitima havia recebido pelas costas três balaços e, o laudo médico –elaborado por facultativo de Piracicaba,onde havia a chefia da área- informava que haviam 2(duas) perfurações,no corpo da vitima.Esta chegou a ser atendida,no dia, na Santa Casa local e veio a falecer...Fomos até a Santa Casa e descobrimos que a vitima, em estado desesperador, chegou a ser radiografado na cabeça e constava um fragmento de bala dentro do crânio.Com muito esforço consegui aquela chapa e aí se descobriu,que o terceiro tiro havia sido na cabeça!! E,justamente este fragmento é que seria a “causa mortis” e não os dois outros,pelas costas,conforme informava o laudo médico.
Recorda-se aqui que os médicos legistas –pelo menos alguns- não tinham nenhuma disposição de sair de Piracicaba para trabalhar em outra cidade e esse foi um dos casos. Mal olhou o defunto,constatou duas perfurações nas costas,e,deu como encerrado seu trabalho...Por ser “black power”-não se deu a devida atenção à vitima,na perícia...O cabeça sequer foi observada...
Cioso de minha responsabilidade em apurar o certo e agir corretamente,oficiei a Piracicaba, com a radiografia da vitima na mão,dizendo que o médico havia trabalhado mal e que em tal dia seria feita a exumação,quando esse mesmo perito-médico deveria comparecer para complementar o trabalho,mal feito.
No dia esse médico voltou ao cemitério,onde estávamos mais o escrivão, com uma cara de bravo, “babando” de raiva,por ter que retornar para realizar nova necropsia,e,os coveiros –burocràticamente -já se preparavam para o mister,nada agradável.Isso não se faz todo dia!! O corpo com três ou quatro meses exala um cheiro que você nunca esquece...fica para sempre!!É mais duradouro que qualquer perfume francês,de extrema qualidade,usado entre as poderosas e homens exigentes,no meio social elevado.Requinte e poder...
Depois de mostrar a chapa, o médico mudou as feições e o auxiliar de necropsia começou a tentar localizar o projétil com pinça,pelas têmporas,cujo crânio,no interior, já se encontrava liquefeito...NÃO CONSEGUIU ACHAR NADA COM A PINÇA! Daí,sem nenhuma cerimônia,retirou a cabeça do corpo e do caixão e levou no corredor do cemitério.  Com um martelo quebrou a cabeça do defunto...Sem usar luvas apropriadas,com a mão,diretamente,vasculhou o cérebro...e,após alguns minutos levantou a mão achando o que procurávamos.Aliás,esse projétil era a verdadeira “causa mortis”.    Salvação da lavoura.
Cumprida a missão nos despedimos e o corpo ficou sob a responsabilidade dos pobres coveiros,gente que a gente nunca tem como amigo nem vizinho,mas tratam bem de todos quando se vão desta para outra dimensão.
O que queria tratar mesmo seria  essa tragédia de Sampa,da família de policiais militares mortos tragicamente, os Pesseghini,pai,mãe,avó e tia avó,mais o menor de l3 anos,Marcelo Eduardo Bovo Pessehgini, na Vila Brasilândia,Zona Norte,sem conhecer diretamente o inquérito.Julgo temerário dizer que o assassinato coletivo foi do menor e que este,necessariamente, se suicidou...porque o exame resíduo-grafotécnico das mãos do menor não apresenta sinais compatíveis para o quadro. Num suicídio,com arma de fogo,sempre,por qualquer ângulo –mão direita ou esquerda- sempre se encontram sinais de comprovam no laboratório.A pele fica impregnada de resíduos detonados...Esse caso é delicado,muito delicado,até porque não há testemunha. Quem vai dar a ultima palavra é mesmo a “perícia”- ou seja a polícia científica.ESTA NUNCA DEVE FALHAR...
helion verri
Enviado por helion verri em 11/08/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr