Textos

“CURA GAY” NO CONGRESSO:SERIA O NOVO FESTIVAL DE BESTEIRAS?
 
Entendo que a antiga Câmara Federal, ao tempo dos ex- Dilma e Temer  era um escândalo a céu aberto, um escárnio. E, cá entre nós, admite-se, a priori  até que houve agora um avanço quando o povo elegeu –nas ultimas eleições- uma Câmara  com novos dos seus ilustres representantes. O que virá dessa leva nada se sabe ainda...por enquanto.
Entretanto, logo na abertura dos trabalhos, um deputado Pastor Sargento Isidoro, de um partido desconhecido pelo grande público, ou seja o AVANTE, do Estado da Bahia, foi o primeiro parlamentar a protocolar um projeto de lei que tornaria a “Bíblia sagrada como patrimônio nacional, cultural e imaterial do Brasil”.
Disse enfaticamente que: “a palavra de Deus  ajudou-me a deixar de ser homossexual e que como ex-gay passo dizer que sou curado”...
Não entrando no mérito de o ex-sargento de ter sido “gay” sua obra prima de apresentar um estranho projeto, espanta os eruditos do Direito, ou minimamente os mais sensatos,eis que o Estado nacional brasileiro é genuinamente laico e tal projeto não vai além da Comissão de Justiça.Com certeza. Embora no prefácio ou seja, na introdução a Constituição Federal de 1988 há menção a Deus, porém de forma genérica sem comprometimento com os escaninhos das religiões e quejandos. Foram inúmeros os pronunciamentos em favor e contra essa iniciativa.
Forçoso é lembrar que na época da promulgação da Constituição de 1988 já se discutia em plenário se caberia a palavra DEUS como introito no prefácio e naquela época o “incidente” preambular promoveu grandes debates. Eis que, cada parlamentar na época apresentava suas razões e tendências religiosas para constar ou não a palavra sagrada. Isso tudo informo a título de ilustração.
DEUS prevaleceu, na Constituição, em preambular, eis que o Grande Arquiteto do Universo não é interpretado só por uma única corrente religiosa e sim TODAS.O sargento deputado é fanaticamente um divulgador da Bíblia e nada mais.
Bom que se diga que o deputado evangélico vem da carreira da Polícia Militar do Estado da Bahia e não das Forças Armadas. De qualquer forma, sabe-se por intuição o grau de escolaridade desse ex gay e ora deputado soropolitano da vida que chegou até sargento, sabe-se lá como. Não sei pormenores como esse pastor “cabra da peste”, ex-gay “curado” chegou a Brasília, via Bahia. Infere-se que na Bahia há mais evangélicos que gays “curados”, pela ascensão do nobre deputado.
Ao que se deduz não haveria necessidade de apresentar tal projeto de lei –eis que a Bíblia já vem de mais de 2 mil anos e sempre foi um caminho para seguidores de amplo espectro, sendo o livro que mais vendagem na praça. Sem contudo, e, entretanto, ser ela o caminho real de muitos fiéis da ordem católica, evangélica, cristão e quejandos. Mera ficção.
Por outro lado, a nação brasileira adota tantas crenças de origem asiática, do Oriente Médio e mesmo da África (sincretismo afro) que nada tem a  ver com a proposta do neófito parlamentar...eis já demonstra a que veio ao Congresso para pregar suas crenças quando o lugar exato seria minimamente  de um púlpito na Bahia, sabe lá se da Capital e ou do agreste sertão.
Esse projeto –entenda-se-smj já fez água e não vai adiante, pelo que o bom senso nos induz.
Mera catilinária evangélica e distante da realidade fática, onde a religião serve de pretexto para conseguir alguma projeção .
 Isto smj. Por outro uma sugestão, segundo a plebe ignara o encontro do FLA-FLU.
Preferia--dada a sugestão--  o matinal pão francês que de longa data seria imprescindível nas manhãs dos brasileiros como patrimônio cultural, isso se o também IPHAN aceitar, sandices, como essa tresloucada proposta. Minimamente.
helion verri
Enviado por helion verri em 13/02/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr