Textos

UM MINISTRO DO STF PRESTA UM DESSERVIÇO A POUPADORES...
 
Não é de hoje, nem de ontem, mas a decisão monocrática do ministro Gilmar Mendes prolatada neste mês de novembro ao suspender as demandas contra o Banco do Brasil, paralisando os procedimentos até 2020 (sic)de processos legítimos dos nefastos planos econômicos que vigoraram desgraçadamente entre eles os mirabolantes perpetrados por governantes passados entre eles o Plano Bresser, Collor e quejandos causou perplexidade, e, minimamente indignação. Assim sendo forçando os beneficiários de dinheiro, notadamente já por herdeiros, até hoje não recebidos desde as décadas passadas por pessoas já até falecidas a realizarem forçosamente os chamados “acordos”- sem dúvida alguma de caráter profundamente leoninos.
Uma decisão esdruxula contra o povo que há décadas sofre pelos desgovernos e aventuras temerárias de administradores passados –quase sempre oriundos da cabeça de economistas de plantão-que já fizeram ao longo do tempo o povo brasileiro cobaia de aventuras que chamaria de “criminogênicas”.A desfazer e menosprezar  pessoas que supostamente acreditavam nos governos irresponsáveis que assumiram a nação brasileira. Estes nefastos dirigentes jamais foram punidos pela aventura dantesca que se perpetrou contra os mais humildes.
Provavelmente, e com certeza, o ministro Gilmar Mendes não sabe e também não quer saber –bom que se diga- O Banco do Brasil jamais comunicou ainda em vida os poupadores, idem herdeiros e aplicadores de dinheiro das quantias em depósito(dever de ofício) e que com absoluta certeza esses valores foram aplicados em outras atividades bancárias do BB em proveito próprio.
Uma usurpação intolerável o que se fez dessa gente.Sabe-se por outro que todos os Bancos-oficiais e particulares- entulham processos e mais processos nos Tribunais Superiores,inclusive no STF- sempre em caráter protelatório...sabência geral e um ministro-estranhamente- afaga com complacência o Banco do Brasil. De onde veio esse pedido para postergar as demandas,sem o amaldiçoado "acordo"?
Com absoluta certeza esse ato judicial monocrático é um golpe sem precedentes nas mazelas que ocorrem no País, onde o Banco do Brasil, em processos de demanda, usando de má fé apresenta ao postulante índices irrisórios com uma tabela espúria, valores insignificantes para que o desesperado poupador ou cliente aceite uma insignificância e se sabe da penúria em que o povo está, forçando acordos absolutamente indecentes e fora da real tabela e dos cálculos feitos com honestidade por exemplo pelo IDEC. (um orgulho nacional).
A única esperança hoje é que tal tema vá a plenário e os demais pares ministros modifiquem o entendimento desse jurista exótico que ocupa uma cadeira na Alta Corte nacional.
Recorde-se que  o então ministro Sepulveda Pertence ao julgar na época essas estravagâncias, “in decisum” tautologico vetou as pretensões dos postulantes sob a desgraçada égide da época que “os planos econômicos tinham supremacia sobre os poupadores”, em contratos particulares”.(sic). Desde aquela época o STF já julgava contra o povo brasileiro, eis que  depois da Alta Corte não existe nada a se pleitear, nem mesmo para o Senhor do Bomfim” na Bahia.
O curioso e deveras estranho que a própria imprensa nacional fez ouvidos moucos para essa aberração. Diretores de jornal nunca tem poupança...
O povo, sim, tem pressa... sr. ministro que com certeza nunca aplicou no Banco do Brasil, eis que a sua poupança nunca foi confiscada ou represada pelos irresponsáveis que governaram o País.
A ex-ministra da Economia,por exemplo, (Zélia das quantas) –embora tenha mandado de prisão por aqui- vive tranquilamente em Nova Iorque. By ...by Brazil!!! É a soberana e vetusta impunidade na terra tupiniquim.
Assim caminha a humanidade, diante das decisões monocráticas de um ministro que já devia entregar sua toga e colocar pijama, como acontece com os militares que vão para a reserva.
Acordem ministros do STF.O povo clama por direitos, nada mais que direitos...também JUSTIÇA !!!
helion verri
Enviado por helion verri em 21/11/2018
Alterado em 21/11/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr