Textos

“NIHIL”
 
Estou nu
tal qual criança
ao nascer...
Diz-se rebento...
(Expressão deplorável).
Não aguento!
Serei tal qual cadáver nu,
ainda sem sepultura...
Um ente (gente) que se foi
para o nada.
Tudo é mesmo nada,
Tal qual a vida dos andrajos,
Nem ente, nem gente,
Notívagos...sem que
ninguém lhes ouça
embora tenham filosofias
indecifráveis,
vida, histórias,(interessantes)
para contar.
Existência – com idéias
geniais, até desaforadas,
lucidas porém desprezíveis.
As vezes são puros,
Mais sujos só no corpo,
camisa rota e não ambicionam
nada.
Quando a alma ainda é pura.
Mas para quê? 
Passam pela vida
sem serem notados,
agraciados.
Nem considerados,
Eis que jamais serão
ouvidos e nunca considerados
pelos que correm, matam
e anseiam tudo na vida-mundana
e profana...
para o nada!
Simplesmente para o
nada...
A existência é mero acaso
e finita é a glória no ocaso,
mesmo dos eleitos heróis.
Todo o universo é pó
Nada mais que poeira
Ou talvez sujeira?
Muitas asneiras.
E a chamada verdade
é um horizonte sem fim...
Ninguém é proprietário
de nada...
nem mesmo da vida!
Nem usuários,
das coisas e dos sonhos
ainda que estes sejam puros
e realizáveis.
Ainda que o sol nasça
numa manhã primaveril.
Os justos dormem e,
os intolerantes bocejam,
nessa ordem, ou vice-versa.
A paisagem é a mesma
e a natureza indiferente à tudo
não se manifesta.
Enfim: tudo, tudo  é simplesmente
nada.

 
helion verri
Enviado por helion verri em 03/12/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr