Textos

INVESTIGAR É PRECISO...
 
Agora Rodrigo Janot já saiu de cena.E, eis que à frente da Procuradoria da República surge  – Raquel Dodge, com o mesmo vigor de seu antecessor. Haviam dúvidas em alguns segmentos. A mim ela não causa surpresa, pois a dra. Raquel,já em corajosa atitude funcional, acaba de instaurar investigação de contratos esportivos de exclusividade de transmissão de jogos importantes, nacionais e internacionais  da TV GLOBO.  Há fumaça no ar na casa dos Marinho.
A bandidagem institucionalizada do País caia de “pau” em Janot por algum motivo ora justificado ou não, (ou seja mesmo com ou sem razão), pensando esses marginais que a sucessora seria uma mulher fraca,dúbia... (num País tristemente machista por excelência). Os apaniguados entendiam que seria agora tudo  moleza. “Uma ação entre amigos e comparsas”...Ou então “estaria tudo dominado”... Bom lembrar que embora não figurasse ela em primeiro lugar da lista, entre supostos candidatos, “interna corporis”. E, como manda a lei foi a escolhida na lista e tomou posse perante o presidente da República...Isto é da lei. A lei manda assim...Paciência. Um investigado por supostos crimes empossou uma procuradora de República, no alto comando em Brasília.Paciência,também.Só que:
Enganaram-se todos os que assim pensavam, eis que ignoravam ou fazem de conta que- em principio-- -- tudo ia mudar, em razão desse fato.Seria um "afago" presidencial. Mas. porém e entretanto-convém antes ressaltar que para entrar no Ministério Público Federal não é – realmente- para “qualquer um”. O concurso é nacional, com 5 (cinco) provas,  4(quatro) escritas e 1(uma) é oral, perante uma douta e intocável banca de notáveis juristas, onde a solerte e sem vergonha classe política NÃO tem alguma influência, ou há qualquer “jeitinho” para “quebrar o galho”, como se diz. Para entrar nessa nobre carreira do MPF, em suma: “sua-se a camisa” e como tal os procuradores dão valor à luta, à integridade e à independência funcional, em prol de causas do interesse público, sem o chamado vulgar - “rabo preso” com alguém ou algum figurão seja lá quem for. A Constituição Federal e as leis menores são o norte e azimute da instituição.
Entra-se na carreira pelo mérito e não pelo “pistolão” e nem se imagina como é honroso fazer parte de uma instituição que foi consagrada  pela Constituição de 1988 e se mantém íntegra nos procedimentos, que em jurisdiquês-entre outras atribuições faz a chamada “persecutio criminis”.
O vulgo tem um ditado: “não se chuta cachorro morto” –eis que mesmo com tal adágio ainda o procurador Janot –  agora afastado da chefia do “parquet” tem recebido ainda “flechadas”... Haja, pois, paciência...eis que os chamados desafetos ainda são imensos –até mesmo um ministro do STF. Este nem precisa dizer o nome...o povo e a molecada dos (antigos) Grupos Escolares do curso primário sabem de quem se trata...
Acredito que em breve, a procuradora-chefe, Raquel Dodge comece também a receber e mandar “flechadas”- pois o bambuzal –ao que se vê- não acaba mesmo. E, ao que se deduz cresce exponencialmente.                                            É pela importância/relevância do cargo. Este exige seriedade, independência e competência. Tais qualidades não lhe faltam a nova chefe do MPF.O mesmo quanto aos demais,país afora.
Cá entre nós...como este  Brasil foi e ainda é solapado por bandidos e criminosos tanto por “garotinhos” como os velhacos da terceira idade. Raquel Dodge breve se imagina também receberá bordoadas de vários pontos cardeais do País. Tal qual Rodrigo Janot.Faz parte do jogo.
Por outro,(mal ou bem) o esporte bretão – sempre foi no País- aquilo que mais o povo  gosta, adora, vibra(até se mata) e o mundo todo se curva também perante o embate entre os clubes...E, por outro, como tudo isso tem enorme audiência...com absoluta certeza, há muitos interesses e dinheiro envolvidos.  
Nada contra, se não fosse um escárnio, contra o bom senso eis que no mundo em que vivemos,  a concentração da riqueza mundial está na mão de 1 a 10% de pessoas privilegiadas e o restante é simplesmente o restante.Milhões de migrantes e crianças morrem pela guerra e pela fome... Este milênio já contabiliza tantos absurdos que nem é o caso de se enumerar.A miséria aumenta e a violência contra os chamados direitos humanos são uma deplorável constante. Hoje, em época cibernética, quanto vale uma vida?
Talvez um celular, ou como se diz, em Portugal –tele móvel? Às vezes,nem esse aparelhozinho. 
Como desde o Império Romano, a população já gostava do chamado “pão e circo”, agora no século XXI não se foge a regra e, sabe-se na época não existia televisão, nem mesmo a TV GLOBO. Acho até  não existia também o E.C. Corinthians que hoje é mesmo uma “religião”(sic) e, por outro, há clubes e clubes com torcidas organizadas abrigando autênticos vândalos e bandidos. Por outro, os políticos presos do Rio de Janeiro – com alguma certeza- não torcem pelo chamado “timão” de SAMPA. O "esporte" deles seria o E.C. Esperteza...
Convém lembrar que na Roma antiga os chamados gladiadores não eram “pés de chinelos”.  Pertenciam a uma classe especial e também abastada, para invariavelmente, proporcionar os chamados “grandes espetáculos”. Tal qual hoje os jogadores de futebol que abundam por aí, exibindo,riquezas, carrões e desfilando invariável com as mulheres mais desejadas pela chamada plebe ignara. 
Com a investigação ora instaurada, pela PGR vamos saber-talvez- se nas TVs (seja ela qual for) prevalecem ou prevaleceram  falcatruas (nacionais ou internacionais) tais quais todo dia temos que aguentar  nos quadrantes desta sofrida nação brasileira. Já há delação por aí. A chamada “Copa do Mundo” de futebol está sendo investigada, com a escolha da sede no Rio de Janeiro... há anos atrás.Os EUA estão de olho na chamada FIFA...
Avante,pois, procuradora Raquel Dodge. Vamos averiguar até onde esse buraco é tão fundo e se haverá luz e holofotes para a platéia  assistir esse espetáculo ao vivo e a cores.
Plin, plin.
helion verri
Enviado por helion verri em 26/11/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr