Textos

UM RELOGIO - UMA PRECIOSIDADE
O meu relógio  é um Ansonia,
Sim,um “oito” para os colecionadores.
Veio de longe,lá de New York(USA)...
É do século XIX.
Diz,pelas badaladas que são nove horas
da noite...Após ouvir as 9 pancadas,talvez,
com a mesma sonoridade da sua origem,
repete a hora indiferente de seu antigo dono,
um professor da UNICAMP,que não conheci!!
Quantas vezes esse relógio badalou
para seu antigo dono?
Quantas vezes esse relógio irá
badalar para mim...embora,pouco a pouco,
no seu tic-tac,ao longo dos anos,
não tenho a audição dos 20 anos.
Relógio que comprei em Campinas,
de  relojoeiro,que também não vejo mais.
Acho que todo relojoeiro é sempre amigo...
Entretanto onde está o meu amigo relojoeiro,
já que,não vou mais a Campinas?
Casualmente,a última vez que estive com ele
disse:o antigo proprietário havia falecido!!
Assim,por outro,aonde foi parar o “oito”,Ansonia,
bem igualzinho ao meu que ficava na parede do
Grupo Escolar “Major Prado”,quando fiz o primário?
Religiosamente dava a hora da entrada à escola e,
Avisava a gostosa hora da saída.Que alívio!
Será que este meu relógio é aquele da minha infância??
Não sei,nunca saberei...
Só sei que enquanto puder ouvirei
seu indicador sonoro,
dar-lhe-ei corda religiosamente,
como se alimentasse a sua própria vida.
O Ansonia pulsa como um ser.Palpita,palpita.
É a vida em som ou o som da vida,
As badaladas do passado já se foram...
Onde estão os sons do passado??
Esse “oito” hoje é vida para mim.
A hora entretanto passa.
Passo eu também...
Passaria o relógio talvez.
Quem será o próximo possuidor,
sempre circunstancialmente temporário,
mero detentor para alimentar o seu pêndulo,
permitindo o som do tic-tac,
deixando também que o tempo passe,
como também,inexoravel escoa a vida ?? 
helion verri
Enviado por helion verri em 30/10/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr